Inovação e transformação digital: como colocar em prática nas empresas?

Últimos Posts

Populares

Encontre por categoria
TIVIT
By
Outubro 05, 2021

Inovação e transformação digital: como colocar em prática nas empresas?

Inovação e transformação digital são fenômenos similares que se complementam. Contudo, existem diferenças conceituais importantes entre eles que devem ser compreendidas por empresas que buscam se adaptar. No mundo moderno e digital, é preciso inovar constantemente e se transformar para otimizar processos, reduzir custos e expandir o crescimento.

No meio do caminho, há alguns desafios e obstáculos a serem superados também. Nesse sentido, é fundamental estar atento a formas de aplicar as tendências e entender a natureza dos movimentos de inovação.

Exploraremos esses tópicos de forma estruturada no texto a seguir. Quer saber mais? Então, confira.

Como a transformação digital e a inovação digital se complementam?

Inovação e transformação digital não são sinônimas, embora estejam bem próximas. São conceitos similares, que até mesmo se complementam, mas são distintos entre si.

A principal diferença é que a inovação consiste basicamente em uma mudança profunda de estado, a partir de elementos novos que são introduzidos em um ambiente. Uma nova tendência, uma tecnologia nova, uma mudança na postura de clientes e empresas. Pode variar a depender dos seus níveis e da sua natureza (falaremos mais sobre isso no último tópico deste artigo).

A inovação faz com que as pessoas encarem processos e operações com uma nova visão. Permite enxergar pontos que, até então, haviam sido ignorados. Possibilita a redução de tempo nas tarefas, a busca por maior eficiência/produtividade e a redução de barreiras e obstáculos.

Hoje, estamos vivenciando diversas inovações interessantes no mundo. O surgimento e a explosão da internet como conhecemos hoje é um exemplo. O começo do uso de smartphones é outro. E inúmeros acontecimentos também podem ser mencionados.

A transformação digital consiste em um processo de adaptação à inovação, que visa transformar os pilares sob os quais a empresa está firmada. Muda concepções, mentalidade e perspectivas na gestão. Envolve uma mudança na forma de pensar a tecnologia no ambiente organizacional, seja em empresas, seja em governos, por exemplo.

O foco em agilidade gerado pela inovação é finalmente instrumentalizado e transformado em métodos. É modificado em uma jornada de adaptação.

As transformações envolvem a aplicação de determinadas tecnologias inovadoras e análise de seus impactos. Dizem respeito ao processo de adaptação a seus preceitos, de modo a obter o melhor em termos de transparência, segurança, eliminação de custos etc.

Por isso, a inovação e a transformação se complementam. A transformação é um fenômeno que coloca as empresas no mapa da inovação.

Quais os desafios as empresas enfrentam na hora de aplicar a transformação digital?

No momento de buscar a inovação e a transformação digital, muitas empresas sofrem com entraves. Um dos maiores desafios é a própria falta de investimento em tecnologia. Os orçamentos curtos impedem o aprofundamento das ações e a busca por novas táticas, com novas ferramentas.

A falta desse cuidado com os investimentos geralmente denota uma mentalidade que não considera a mudança tecnológica como um foco. Assim, é um problema de resistência dos gestores por confiar mais nos processos tradicionais e desconfiar das mudanças propostas pela tecnologia.

Nesse caso, outro entrave associado é a cultura engessada, que ainda é muito tradicionalista. Em alguns casos, temos uma cultura muito focada em rigidez hierárquica e em processos obsoletos, o que dificulta os fluxos de comunicação e o uso da tecnologia como motor de inovação.

Outro desafio é a falta de apoio dos colaboradores, que constituem a base de uma empresa. Profissionais despreparados para as novas tendências dentro das empresas e a falta de pessoas capacitadas, até mesmo no mercado para contratação, são um problema. Diante disso, as companhias não podem se mover para buscar melhorias com as aplicações modernas.

Outra questão que se torna desafiadora na gestão é a própria natureza da inovação em si. Algumas dessas mudanças tendem a acontecer em um ritmo muito rápido, com alterações a todo instante. Nesse sentido, é complicado para uma empresa acompanhar essas mudanças enquanto tenta resolver seus problemas diários.

Muitos profissionais e até decisores não dispõem de tanto tempo para acompanhar e aprender a lidar com novas tecnologias. Por isso, tendem a se manter indiferentes e a permanecer no tradicional.

Quais são as principais tendências?

É importante nomear as tendências que estamos discutindo aqui. Neste tópico, vamos aprofundar suas características e conexões.

Um dos termos mais proeminentes é o Big Data. Trata-se de um termo para definir o dilúvio de dados gerados a todo instante atualmente. No mundo em que as pessoas usam a internet e sistemas de software constantemente e geram um mar de dados/metadados, as bases das empresas precisam ser devidamente escaláveis e robustas.

Esse Big Data pode ser processado para se tornar valor. Para isso, é preciso contar com ferramentas que gerenciam dados desestruturados, em alto volume e consigam encontrar padrões/tendências neles.

Nesse sentido, entra em cena a inteligência artificial. É um campo da computação que intenciona gerar computadores inteligentes e capazes de lidar com dados em massa. Os sistemas se tornam inteligentes ao estudarem e identificarem padrões ou tendências para realizar predições com base nesses dados. Assim, conseguem entender cenários e automatizar tarefas que nós realizamos.

Como base infraestrutural para esses dois conceitos, temos a poderosa computação em nuvem. Ela permite o uso de servidores descentralizados, distribuídos, como uma base para o desenvolvimento das arquiteturas computacionais das empresas. Em vez de contratar máquinas físicas, as organizações alocam espaços virtuais e acessam via internet. A cloud oferece a robustez, a consistência e a estabilidade que são necessários para o Big Data.

Já alguns dos geradores da massa de dados são os sensores de Internet das Coisas (IoT). Outra tendência poderosa. A IoT é um conjunto de sensores sem fio que se comunicam via rede para enviar dados de monitoramento. Ela pode ser aplicada em diversos contextos para superar as barreiras de conhecimento.

Quais são os tipos de inovação?

Antes de finalizar este texto, precisamos de um overview sobre os tipos de inovação. Temos a incremental, a radical e a disruptiva.

A incremental engloba processos lentos de mudança em ambientes e produtos já existentes. Não propõe nada drástico, nem complexo demais.

A radical envolve mudanças bruscas e alterações completas de direcionamento, que geram nas empresas a necessidade de revisar completamente sua postura.

Já a inovação disruptiva é um processo complexo que envolve a substituição de processos obsoletos por novos e mais modernos. Ela traz consigo algumas características interessantes: popularização de um certo serviço ou produto; nichos de mercado são alcançados como não eram antes; mudança nos comportamentos dos consumidores.

A inovação e a transformação digital são processos que trabalham juntos, embora mereçam ser devidamente diferenciados. Para compreender essa dinâmica, as empresas precisam revisar sua mentalidade e cultura, bem como buscar apoio de colaboradores preparados. É interessante estar atento ao Big Data, às evoluções da inteligência, à computação em nuvem e a outras inovações.

Gostou dessa nossa abordagem? Entendeu esses conceitos? Então, compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

New call-to-action

Receba novidades

New call-to-action
New call-to-action

Categorias

Ver todas