TIVIT BLOG

Últimos Posts

Populares

Encontre por categoria
TIVIT One Cloud
By
Fevereiro 10, 2017

Saiba os riscos que envolvem mover aplicações para a nuvem e que passos seguir

migração-de-aplicações1.jpeg

A migração de uma aplicação para a nuvem parece ser algo fácil e hoje em dia, até mesmo natural. Afinal,  elasticidade e flexibilidade são uma grande novidade para as empresas e podem trazer vários benefícios. Mas nem todos as aplicações são criadas iguais. Como todas as coisas de TI, a decisão começa e termina com fatores de risco.

 

Determinar quais aplicações corporativas devem migrar para a nuvem é um exercício de avaliação de risco para os profissionais de TI. Todas as aplicações são diferentes, então escolher as melhores (e mais aptas) depende de muitos fatores.

 

Dr. Reeves, chefe de pesquisa do Gartner Inc. afirma que para saber quando uma aplicação está pronta para ir para a nuvem é necessário analisar três fatores: avaliação de riscos, seleção de camada de nuvem e avaliação técnica.

 

“Uma questão central que ‘empaca’ atualmente a TI é a decisão de quais aplicações em nuvem estão prontas para migrar, quais não estão e onde fica a linha divisória”, acrescenta Reeves.

Vamos comentar brevemente cada um desses pontos:

Avaliação de Riscos

O primeiro e talvez o mais importante passo é avaliar o risco de migrar uma aplicação  para a nuvem. A idéia aqui é identificar elementos  ‘estraga festas’, que poderiam pausar imediatamente a migração de uma aplicação.

 

Se a empresa não está disposta a arriscar a perda financeira que poderia acontecer pela perda desta aplicação, então não há razão alguma para levá-la para a nuvem. Sempre falamos que faz mais sentido mover as menos críticas primeiro.

 

Você pode atenuar seus riscos e usá-los como uma vantagem competitiva. Não corra riscos desconhecidos, mas riscos calculados. Outro ponto importante  é o controle de acesso. Ele é a primeira linha de defesa contra a violação de dados em nuvem e uma forma de mitigar o risco.

Seleção da Camada de Nuvem

Depois de decidir qual aplicação migrar para a nuvem, o próximo passo é decidir onde ela deve permanecer. Essa é uma preocupação legítima, pois ao colocar uma aplicação no lugar errado, você provavelmente terá que recomeçar todo o processo.

 

Algumas empresas devem manter um alto nível de controle porque elas não estão dispostas a sofrer com uma grande falha do provedor de serviços. Se as empresas querem algum controle adicional e não se importam com menos liberdade de customização, então o mais indicado seria uma plataforma como serviço (PaaS). Se uma empresa não quer gerenciar a aplicação como um todo, mas apenas os usuários finais, então um software como serviço (SaaS) é que faz mais sentido.

Avaliação Técnica

A avaliação técnica de cada aplicação vem depois que você selecionar em qual camada deve residir.

No final, quando você move a aplicação para a nuvem, você precisa medir se você conseguiu (tudo o que você queria) ou não. Métrica e medição nesses casos é tudo.

 

Por fim, estar pronto para a nuvem não é algo estático. Sua empresa pode estar pronta logo no início ou então mais tarde. Como dizemos, entrar para a nuvem não é uma questão de “se vou entrar”, mas sim “quando vou entrar”.

Nova call to action

Receba novidades

Nova call to action
Nova call to action

Categorias

Ver todas